Home » Circuitos » Circuito Estimulador Cerebral – Eletroterapia – CES

Circuito Estimulador Cerebral – Eletroterapia – CES

A estimulação elétrica cerebral foi manchete a poucas semanas em um programa de TV, e após isso recebi centenas de e-mails perguntando a respeito do assunto. De minha parte acredito que impulsos elétricos devem fazer algo no cérebro, isso já foi comprovado a décadas e muito usado em manicômios e clinicas psiquiátricas, esse tratamento era chamado de eletroconvulsoterapia  ou popularmente chamado de eletrochoque.

Mas daí a pensar mais rápido e têm mais atenção através de uma  estimulação elétrica cerebral é outra coisa. Atualmente existem no mercado (lá fora) centenas de empresas que vendem esses dispositivos de choque cerebral que prometem  mil coisas. Chamadas de Cranial Eletroterapia Stimulation ( CES ), com certeza  provavelmente vão ter o mesmo fim do aparelho abdominal ab toner, o guarda roupa.

Isso  acontece sempre, com maquinas eletrônicas que acabam com celulite, emagrecem ou detectam diamantes, essas máquinas existem, não funcionam e sempre vão ter pessoas comprando. Enfiar dois fios na testa e dar choque de 1,5 Volts pode não te salvar do mal de Parkinson mas também não vai causar nenhum dano cerebral.

Estimulador Cerebral
Estimulador Cerebral

A Eletroterapia

Esses choques controlados ou o uso de correntes elétricas para o tratamento médico, é muito usado na medicina moderna e é chamada de eletroterapia. Esse tratamento é muito usado na fisioterapia e na estética, mas outras áreas da medicina também utilizam este tratamento, mas em pequena escala. Quando falo medicina eu digo a medicina séria que tem estudos comprovados por grandes universidades.

Foi Guillaume Duchenne que em 1855  que desenvolveu a eletroterapia usando a corrente elétrica nas contrações musculares. Isso é algo sério, e não você  achar que com choques você vai emagrecer!

Estimulador Elétrico Cerebral

No caso do estimulador elétrico cerebral, ou seja, eletroterapia cerebral, são colocados eletrodos sobre o couro cabeludo, onde passam pequenas correntes elétricas, que vão estimular as células nervosas no cérebro, os neurônios.

Tudo bem que esse tratamento não é invasivo, mas os dados sobre seus efeitos colaterais são poucos e a eficacia também não é totalmente comprovada.

Os efeitos sobre o cérebro são muitos e alguns danosos, já que o mal uso pode causar problemas sensoriais, motor, emocionais e cognitivos.

Estimulação Transcraniana por Corrente Contínua

A estimulação transcraniana de corrente contínua (TDCS) é uma forma de neuroestimulação que utiliza baixa corrente, colocada diretamente sobre a área do cérebro que se deseja estimular usando pequenos eletrodos externos.

Originalmente desenvolvida para ajudar pacientes com lesões cerebrais, como derrames. Testes em adultos saudáveis ​​demonstraram que a TDCS pode aumentar o desempenho cognitivo em uma variedade de tarefas, dependendo da área do cérebro a ser estimulada.

Ele tem sido utilizado para melhorar a linguagem e habilidade matemática, atenção, solução de problemas de memória , coordenação,  e nos pilotos militares dos EUA para melhorar o desempenho na pilotagem de drones.  O Mental Health America tem um artigo que fala super bem da Estimulação Cranial Eletroterapia.

É claro que muitas empresas espertas viram um nicho de mercado rentável, afinal que não quer fazer um overclock Cerebral e ficar mais inteligente?

Na minha opinião só se deve usar uma máquina dessas com acompanhamento médico, mas como a auto medicação é regra, vou publicar aqui alguns circuitos de estimuladores elétrico cerebral, e seu uso e construção é de inteira responsabilidade do usuário.

 Circuito de Estimulador Cerebral

O primeiro circuito  apresentado aqui trabalha com estimulação elétrica cerebral através de dois clips colocados nos lóbulos das orelhas, então não tente enfiar esses eletrodos em outro lugar. O circuito gera uma  corrente de saída é ajustável de 80 a 600 microamperes e a forma de onda é, uma positiva de 400 milissegundos, uma negativa de 400 milissegundos e em seguida, uma pausa de 1,2 segundo.

Circuito Estimulador Cerebral
Circuito Estimulador Cerebral

A  freqüência gira em torno de 0,5 Hz, ou seja, um duplo impulso a cada 2 segundos. Ao usar esse circuito algumas pessoas relatam que os impulsos elétricos contribuirão para alcançar um estado de relaxamento mas deixava a mente alerta.  Não é comprovado qualquer eficácia terapêutica para este dispositivo como acima relatamos, devido a simplicidade e seu baixo custo, o usuário pode construir um, ao menos para fazer testes.

Lista de componentes do circuito estimulador cerebral

R1 Resistor 1M5 1/4W
R2 Resistor 15K 1 /4W
R3 Resistor 100K Linear potenciômetro
R4 Resistor 2K2 1 / 4W
C1 Capacitor 330nF 63V poliéster
C2 Capacitor 100UF 25V  eletrolítico
D1 LED 3mm  vermelho
IC1 7555 ou TS555CN
IC2  4017 C

Como Funciona do circuito estimulador cerebral

O IC1 “7555” é um duplo 555, ele é um oscilador e gera um pulso estreito, 2,5 Hz para alimentar IC2, um 4017 . Este CI gera os diferentes intervalos dos impulsos de saída. A saída dos eletrodos ficam nos pinos 2 e 3 do IC2, assim ele consegue obter facilmente os pulsos positivos e  negativos.

A saída de corrente é limitada a 600μA por R2 e pode ser regulado entre 80 e 600μA por meio de R3. O LED pisca a cada 2 segundos para a sinalização de funcionamento do circuito. Os eletrodos  podem ser feito com pequenos pregadores de plástico sendo que nas extremidade é colado o fio numa posição adequada para fazer um bom contato com os lóbulos das orelhas.

Para facilitar a transferência de energia com a pele você pode umedecer o local. Os circuitos estimuladores cerebral comerciais têm freqüentemente um temporizador incorporado e as sessões duram geralmente entre 20 minutos e 1 hora.

Circuito Estimulador Cerebral Eletrônico

Este circuito é um dos mais simples que encontrei, ele produz ondas quadradas bifásicas e a corrente inverte com cada ciclo de impulso. Sua indicação, segundo o criador é de ser colocado nos lóbulos das orelhas, atrás das orelhas ou perto dos cantos externos dos olhos.

Com esse estimulador cerebral eletrônico você também pode variar a freqüência de operação em “R” que é um potenciômetro, assim é possível  produzir uma  grande variedade de efeitos.  A textura, o brilho e a cinética dos padrões visuais mudam notavelmente entre intervalos de 1 a 50 Hz, já acima de 30 a 60 hertz , os efeitos visuais cessarm.

Estimulador Cérebro Eletrônico
Estimulador Cérebro Eletrônico

 Lista de componentes do Estimulador Cérebro Eletrônico

C Capacitor de 0,22 mF
R  potenciômetro de 1 MOhms
Circuito Integrado CD4049 CMOS CD4049

A colocação “padrão” do eletrodo é no processo mastóide, na área óssea atrás das orelhas. Mas existem posições de eletrodos alternativos, que incluem as têmporas,  perto dos cantos externos dos olhos, este posicionamento é melhor para fosfeno ou  indução padrão visual. Fosfeno é um fenômeno, uma estimulação visual cuja fonte são os próprios olhos, que pode ser uma estimulação mecânica, elétrica ou magnética da retina ou do córtex visual, caracterizada pela sensação de ver manchas luminosas.

Outra posição do eletrodo é no centro da testa e outro na parte de trás da cabeça perto da base do crânio. Os eletrodos podem ser colocados em qualquer parte do corpo, isso se você deseja experimentar novas sensações com estimulação do sistema somatossensorial ou sensorial somáticoa .

 Abaixo uma lista de ondas cerebrais com suas frequências e associações.

Ondas Delta:  0,5 a 3 hertz – A onda delta é uma onda cerebral de alta amplitude com uma frequência de oscilação entre 0 e 4 hertz . As ondas delta como outras ondas cerebrais,  são normalmente associadas com a fase  profunda do sono  NREM.

Ondas Theta : 3 a 7 hertz  – A onda theta  aparece durante os estados meditativos, sonolentos ou dormindo, mas não durante os estágios mais profundos do sono.

Ondas Alfa : 7 a 14 hertz  – A onda Alfa  aparece durante o relaxamento com vigilância e  com os olhos fechados.

Ondas Beta : mais de 14 hertz – A onda beta é a  freqüência do cérebro humano em atividade entre 12,5 e 30 Hz, essas ondas  são frequentemente associadas com o pensamento ativo, ocupado ou ansioso e em concentração ativa.

Calibração do Circuito Estimulador Cerebral Eletrônico

O aparelho pode ser ajustado e calibrado com um frequencímetro, mas a freqüência pode oscilar com temperatura de operação e a tensão da bateria. Tenha em mente que os resultados então podem variar de acordo com as condições de operação, carga da bateria, posição do eletrodo, tipo de eletrodo, fatores pessoais individuais e sensibilidades, ajuste e configuração.

Um controle de intensidade pode ser adicionado, colocando um potenciômetro de 100 Kohm em série com um dos fios dos eletrodos como no primeiro circuito eletrônico apresentado neste artigo. Um trimpot ou resistor limitador com cerca de 1K a 22Kohms pode ser colocado em série com o potenciômetro de ajuste de frequência para ajustar a frequência máxima.

Conclusão

Eu não aconselho a montagem de tais dispositivos por leigos! Sugiro que inicialmente o estimulador não seja utilizado por mais de 10 minutos por sessão, para o usuário apreciar o comportamento e efeitos do equipamento. Nunca use eletrodos de metal  contra a pele  isso pode causar queimaduras por eletrólise, teste antes.

Entenda que variando a posição dos eletrodos vai variar os efeitos, então cuidado com qualquer mudança, o lugar mais seguro é os lóbulos da orelha ou bem longe de sua cabeça!

Outros artigos sobre estimuladores eletrônicos que você pode ler são o Bio-estimulador Muscular para Tratamento de Celulite e Como construir um Zapper simples para Terapia de Clark.

[Fonte-1][Fonte-2][Fonte-3]
Nova Eletrônica - Circuitos e projetos Eletrônicos grátis
Nota Importante: Para perguntas, dúvidas, críticas ou sugestões utilize a página de contato .
[ Clique Aqui! ]